Evitar falhas no funcionamento do sistema de acionamento da embreagem realizando corretamente a sangria


Apesar de a eletrificação dos componentes de veículos estar progredindo imensamente, sendo o sistema de direção elétrica um dos exemplos, especialmente três componentes continuam a ser acionados hidraulicamente: o freio, o sistema de direção hidráulico ou eletro-hidráulico e o sistema de acionamento da embreagem hidráulica. O que todos esses sistemas têm em comum é a necessidade de ter o ar acumulado liberado de forma a funcionar sem falhas.

Ar como causa de falha


Ao contrário dos líquidos, o ar pode ser comprimido. Como mencionado anteriormente, os sistemas do veículo funcionam de acordo com o princípio hidráulico, onde a potência é transmitida por meios de uma coluna de líquido não compressível, sendo aqui o ar a causa principal de falhas. Relativamente à embreagem hidráulica, podem ocorrer os seguintes sintomas:

  • Mudança do percurso do pedal
  • Dificuldades no desengate da embreagem
  • Sensibilidade imprecisa do pedal

Assim, deve ser realizada a sangria dos sistemas de desengate de acordo com as instruções da montadora do veículo após reparos na embreagem ou após uma substituição de componentes hidráulicos.

Sangradores para sistemas de acionamento da embreagem hidráulica

A ferramenta certa


Para realizar esse trabalho de forma rápida e eficaz, deve estar disponível o equipamento de oficina relevante. Um sangrador adequado é crucial. A sangria dos componentes de embreagem hidráulica sem esses dispositivos é monótona e nem sempre produz os resultados desejados. Também será necessário um recipiente de recolha para o líquido hidráulico, com um tubo transparente que encaixa nos bocais do sangrador. Alguns sangradores têm uma unidade de vácuo para nivelar o líquido no depósito de compensação no final do processo de sangria.

Sistemas de acionamento de embreagens


Os diversos sistemas de acionamento de embreagem funcionam com base em cilindros mestre e escravo. O cilindro mestre é acionado pelo pedal da embreagem, o cilindro escravo usa a potência transmitida para desengatar mecanicamente a embreagem.

No entanto, os sistemas diferem em estrutura dos componentes individuais. Os cilindros mestre são fornecidos com um reservatório de líquido separado ou são alimentados por um tubo do depósito de compensação.

Por outro lado, os cilindros escravo são concebidos como cilindros de pressão simples, acionando um sistema de alavanca para desengatar a embreagem ou funcionando como cilindros escravos concêntricos diretamente na placa de pressão da embreagem. A abreviatura CSC também é usada para nos referirmos a cilindros escravos concêntricos.

Notas sobre o processo de sangria


Algumas notas fundamentais sobre o processo de sangria antes de ser descrita em passos individuais:

1. Use somente sangradores que tenham sido fornecidos pela montadora do veículo.

2. Certifique-se de que o pedal da embreagem está completamente retraído até a posição final durante o processo de sangria, para que o fluxo do líquido hidráulico não fique limitado.

3. Tenha atenção ao nível do líquido no depósito de compensação.

4. Mantenha a pressão de sangria o mais baixa possível. O líquido de fluxo lento transportará mais ar para fora do sistema do que líquido de fluxo rápido.

5. Não acione o pedal da embreagem durante o processo de sangria, pois isso pode causar um percurso excessivo. O cilindro hidráulico será, então, liberado longe demais, o que pode resultar em vazamento.

Processo de sangria em passos individuais


Use somente líquidos que tenham sido fornecidos pela montadora do veículo! Mantenha limpeza máxima ao realizar o processo de sangria!

  • Retire o bujão do cilindro mestre ou do depósito de compensação e conecte o sangrador, usando um adaptador adequado.
  • Pressurize o sistema hidráulico (máx. 2 bar).
  • Retire a capa de proteção do bocal do sangrador no cilindro escravo.
  • Conecte o recipiente de recolha adequado com um tubo transparente ao bocal do sangrador.
  • Abra o bocal do sangrador (fixo ou giratório).
  • Feche o bocal do sangrador novamente assim que o líquido no tubo já não tiver bolhas de ar.

Para obter mais informações sobre as diferentes variantes de bocais de sangrador fixas e giráveis, consulte a Informação de serviço 12404, Variantes de sangria para sistemas de acionamento de embreagens hidráulicas.

  • Libere pressão do sangrador.
  • Separe o adaptador do sangrador do cilindro mestre ou depósito de compensação.
  • Verifique o nível do líquido no depósito de compensação e corrija, se necessário (observe a marca MAX).
  • Volte a colocar o bujão no depósito.

Acione o pedal da embreagem várias vezes para realizar um teste de funcionamento. O pedal da embreagem deve voltar sempre, de forma independente, ao seu ponto de partida.