Presença mundial da SACHS -

O seu parceiro, esteja onde estiver

Está aqui:

España / Portugal Español | Português

Está aqui:

España / Portugal Español | Português
worldmap


Idioma
Contacto

Portugal

Portugal

Sugestão útil da SACHS:
Embraiagem não desembraia.

Causas

Se a embraiagem não desembraiar, a causa pode não residir necessariamente na embraiagem. Muitas vezes, a falha está no sistema de desengate, no rolamento piloto que está emperrado ou no não cumprimento de importantes requisitos de montagem.

Por isso, verifique:

  • Todos os pontos de uma inspeção profissional foram observados durante a montagem?
  • Sistema de desengate da embraiagem
    • Peças gastas? Cabo, sistema hidráulico, pontos de articulação.
    • A afinação está correta?

Causas

Se a embraiagem não desembraiar, a causa pode não residir necessariamente na embraiagem. Muitas vezes, a falha está no sistema de desengate, no rolamento piloto que está emperrado ou no não cumprimento de importantes requisitos de montagem.

Por isso, verifique:

  • Todos os pontos de uma inspeção profissional foram observados durante a montagem?
  • Sistema de desengate da embraiagem
    • Peças gastas? Cabo, sistema hidráulico, pontos de articulação.
    • A afinação está correta?

Excentricidade lateral excessiva do disco da embraiagem

Causa:

  • Deformação durante o transporte ou a montagem
  • Excentricidade lateral de cerca de 0,5 mm excedida

Consequência:

  • O recuo definido do prato da embraiagem já não é suficiente para assegurar o desengate total

Observação:

Verifique sempre os discos de embraiagem em relação à excentricidade lateral antes da montagem.

Excentricidade lateral excessiva do disco da embraiagem

Causa:

  • Deformação durante o transporte ou a montagem
  • Excentricidade lateral de cerca de 0,5 mm excedida

Consequência:

  • O recuo definido do prato da embraiagem já não é suficiente para assegurar o desengate total

Observação:

Verifique sempre os discos de embraiagem em relação à excentricidade lateral antes da montagem.

Corrosão por atrito nas estrias do cubo

Causa:

  • Procura instruções de montagem

Consequência:

  • O disco da embraiagem não desliza livremente no veio de transmissão e emperra. A guarnição da embraiagem ainda tem contacto com a superfície de atrito do volante do motor. Nas fases iniciais pode ser percetível trepidação.

Observação:

Utilize sempre o lubrificante de alto desempenho SACHS n.º 4200 080 050.

Corrosão por atrito nas estrias do cubo

Causa:

  • Procura instruções de montagem

Consequência:

  • O disco da embraiagem não desliza livremente no veio de transmissão e emperra. A guarnição da embraiagem ainda tem contacto com a superfície de atrito do volante do motor. Nas fases iniciais pode ser percetível trepidação.

Observação:

Utilize sempre o lubrificante de alto desempenho SACHS n.º 4200 080 050.

Estrias do cubo danificadas

Causa:

  • O veio de transmissão e o cubo da embraiagem foram forçados um contra o outros durante a montagem

Consequência:

  • O disco da embraiagem emperra, em vez de deslizar, no veio de transmissão.

Observação:

Centre o disco da embraiagem durante a montagem utilizando as ferramentas adequadas!

Introduza o veio de transmissão com muito cuidado

Estrias do cubo danificadas

Causa:

  • O veio de transmissão e o cubo da embraiagem foram forçados um contra o outros durante a montagem

Consequência:

  • O disco da embraiagem emperra, em vez de deslizar, no veio de transmissão.

Observação:

Centre o disco da embraiagem durante a montagem utilizando as ferramentas adequadas!

Introduza o veio de transmissão com muito cuidado

Disco da embraiagem côncavo (arqueado)

Causa:

  • O veio de transmissão foi emperrado contra o cubo do disco da embraiagem durante a montagem.
  • Deformação devido a sobreaquecimento extremo (descoloração azul dos componentes de aço).

Consequência:

  • O recuo definido do prato da embraiagem já não é mais suficiente para desengatar a embraiagem perfeitamente.

Observação:

Também causa arrasto pelo recuo insuficiente do prato da embraiagem.

Disco da embraiagem côncavo (arqueado)

Causa:

  • O veio de transmissão foi emperrado contra o cubo do disco da embraiagem durante a montagem.
  • Deformação devido a sobreaquecimento extremo (descoloração azul dos componentes de aço).

Consequência:

  • O recuo definido do prato da embraiagem já não é mais suficiente para desengatar a embraiagem perfeitamente.

Observação:

Também causa arrasto pelo recuo insuficiente do prato da embraiagem.

Molas de interface ou prato de pressão com fratura

Causa:

  • Motor ou caixa de velocidades descidos com o veio de transmissão ainda inserido no cubo do disco da embraiagem. Fratura causada por efeito de alavanca
  • Desvio paralelo ou angular

Consequência:

  • Excentricidade lateral excessiva do disco da embraiagem.

Molas de interface ou prato de pressão com fratura

Causa:

  • Motor ou caixa de velocidades descidos com o veio de transmissão ainda inserido no cubo do disco da embraiagem. Fratura causada por efeito de alavanca
  • Desvio paralelo ou angular

Consequência:

  • Excentricidade lateral excessiva do disco da embraiagem.

Estrias do cubo desgastadas/formação de rebarba

Causa:

  • Carcaça da embraiagem e flange do cárter do motor não centrados; movimento oscilatório devido ao desvio angular ou paralelo
  • Rolamento piloto em falta
  • O veio primário de transmissão tem folga excessiva ou não está a ser guiado

Consequência:

  • Cubo emperrado ou torto no veio primário de transmissão

Observação:

Também pode causar ruídos.

Estrias do cubo desgastadas/formação de rebarba

Causa:

  • Carcaça da embraiagem e flange do cárter do motor não centrados; movimento oscilatório devido ao desvio angular ou paralelo
  • Rolamento piloto em falta
  • O veio primário de transmissão tem folga excessiva ou não está a ser guiado

Consequência:

  • Cubo emperrado ou torto no veio primário de transmissão

Observação:

Também pode causar ruídos.

Velocidade excessiva de rolamento/rutura das guarnições

Causa:

  • Dirigir a alta velocidade de rolamento com uma mudança baixa engrenada e o pedal da embraiagem acionado; o disco da embraiagem excede a rotação de rutura
  • Seleção da mudança errada (muito baixa) ao fazer reduções

Consequência:

  • Fragmentos das guarnições presos no volante do motor ou na carcaça do prato da embraiagem.

Observação:

O motor não está envolvido! A velocidade de rutura das guarnições é aprox. 1,7 a 2 vezes mais alta do que as rpm máximas do motor. As guarnições sobreaquecidas rompem-se mais cedo.

Velocidade excessiva de rolamento/rutura das guarnições

Causa:

  • Dirigir a alta velocidade de rolamento com uma mudança baixa engrenada e o pedal da embraiagem acionado; o disco da embraiagem excede a rotação de rutura
  • Seleção da mudança errada (muito baixa) ao fazer reduções

Consequência:

  • Fragmentos das guarnições presos no volante do motor ou na carcaça do prato da embraiagem.

Observação:

O motor não está envolvido! A velocidade de rutura das guarnições é aprox. 1,7 a 2 vezes mais alta do que as rpm máximas do motor. As guarnições sobreaquecidas rompem-se mais cedo.

Amortecedor torcional destruído pela sobrecarga

Causa:

  • Estilo de condução com baixa aceleração. Condução numa mudança alta, a baixa velocidade e plena carga.
  • Operação extremamente irregular do motor
  • Articulações do sistema de transmissão desgastadas

Consequência:

  • Fragmentos são arremessados para fora e ficam presos nas guarnições.

Amortecedor torcional destruído pela sobrecarga

Causa:

  • Estilo de condução com baixa aceleração. Condução numa mudança alta, a baixa velocidade e plena carga.
  • Operação extremamente irregular do motor
  • Articulações do sistema de transmissão desgastadas

Consequência:

  • Fragmentos são arremessados para fora e ficam presos nas guarnições.

Molas de retrocesso dobradas ou deformadas

Causa:

  • Carga de impulso extrema devido a passagens de caixa incorretas
  • Manobras de reboque inapropriadas
  • Erros de operação no banco de rolos
  • Folga no sistema de transmissão
  • Deformação durante a montagem

Consequência:

Recuo insuficiente do prato da embraiagem.

Molas de retrocesso dobradas ou deformadas

Causa:

  • Carga de impulso extrema devido a passagens de caixa incorretas
  • Manobras de reboque inapropriadas
  • Erros de operação no banco de rolos
  • Folga no sistema de transmissão
  • Deformação durante a montagem

Consequência:

Recuo insuficiente do prato da embraiagem.

A mola de diafragma encosta no amortecedor torcional durante o desengate

Causa:

  • O curso de desengate permitido é excedido
  • Montagem do disco incorreto

Consequência:

  • A mola de diafragma arrasta o disco da embraiagem

Observação:

Também causa ruído

A mola de diafragma encosta no amortecedor torcional durante o desengate

Causa:

  • O curso de desengate permitido é excedido
  • Montagem do disco incorreto

Consequência:

  • A mola de diafragma arrasta o disco da embraiagem

Observação:

Também causa ruído

Linguetas da mola de diafragma/alavancas de desengate desgastadas

Causa:

  • Tubo guia do encosto da embraiagem dobrado
  • O motor/a caixa de velocidades não estão corretamente centrados

Consequência:

  • Um contacto contínuo descentrado entre o encosto da embraiagem e as linguetas da mola de diafragma, que exceda a capacidade de autocentragem, causa um movimento relativo e logo desgaste. Isto também se aplica às alavancas de desengate.

Linguetas da mola de diafragma/alavancas de desengate desgastadas

Causa:

  • Tubo guia do encosto da embraiagem dobrado
  • O motor/a caixa de velocidades não estão corretamente centrados

Consequência:

  • Um contacto contínuo descentrado entre o encosto da embraiagem e as linguetas da mola de diafragma, que exceda a capacidade de autocentragem, causa um movimento relativo e logo desgaste. Isto também se aplica às alavancas de desengate.

Prato da embraiagem fraturada/sobreaquecimento extremo

Causa:

  • Constante patinagem da embraiagem
  • Força de pressão insuficiente
  • Problemas com o sistema de desengate como, por exemplo, rigidez ou falta de folga na embraiagem
  • Contaminação com óleo ou massa
  • Espessura excessiva do volante do motor

Consequência:

  • Recuo insuficiente do prato da embraiagem.

Prato da embraiagem fraturada/sobreaquecimento extremo

Causa:

  • Constante patinagem da embraiagem
  • Força de pressão insuficiente
  • Problemas com o sistema de desengate como, por exemplo, rigidez ou falta de folga na embraiagem
  • Contaminação com óleo ou massa
  • Espessura excessiva do volante do motor

Consequência:

  • Recuo insuficiente do prato da embraiagem.

Tampa deformada (pratos da embraiagem MX – VW, Audi, Seat, Skoda)

Causa:

  • Prato da embraiagem incorretamente instalado
  • Posicionamento incorreto da tampa/prato da embraiagem em relação aos pinos de fixação do volante do motor

Consequência:

  • Carcaça deformada provoca recuo insuficiente do prato da embraiagem.

Tampa deformada (pratos da embraiagem MX – VW, Audi, Seat, Skoda)

Causa:

  • Prato da embraiagem incorretamente instalado
  • Posicionamento incorreto da tampa/prato da embraiagem em relação aos pinos de fixação do volante do motor

Consequência:

  • Carcaça deformada provoca recuo insuficiente do prato da embraiagem.

Pré-amortecedor completamente destruído

  • Causa:
  • O veio de transmissão foi emperrado contra o cubo do disco da embraiagem durante a montagem.

Consequência:

  • Danos graves levam à falha total do componente.

Observação:

Os mecanismos de amortecimento torcional multiestágio têm uma estrutura complexa, quase delicada. Devem ser manuseados com extremo cuidado durante a instalação.

Pré-amortecedor completamente destruído

  • Causa:
  • O veio de transmissão foi emperrado contra o cubo do disco da embraiagem durante a montagem.

Consequência:

  • Danos graves levam à falha total do componente.

Observação:

Os mecanismos de amortecimento torcional multiestágio têm uma estrutura complexa, quase delicada. Devem ser manuseados com extremo cuidado durante a instalação.