Favor selecione a sua região e idioma:

Voltar
Asia
Europa
América Latina

Não encontra a sua região e idioma? Visite o nosso website Global: English

Note

The page you are navigating to is not optimized for mobile devices.
Do you want to proceed?

Proceed

Favor selecione a sua região e idioma:

Não encontra a sua região e idioma? Visite o nosso website Global: English

PT
Contacto

Portugal

Portugal

O alinhamento das rodas
em suspensões de quatro braços

Suspensão four-link

Em determinadas circunstâncias, em suspensões de quatro braços, também pode ser necessário medir a curva de convergência durante o alinhamento das rodas.

Os veículos em causa

Os veículos do Grupo VW, pertencentes à chamada plataforma B5, tais como Audi A4, A6, A8, VW Passat, Skoda Superb, Seat Exeo, entre outros, estão equipados com suspensões de quatro braços (four-link). Trata-se de eixos de duplo braço triangular que, graças ao nível separado dos braços, melhoram consideravelmente as características de condução. Se os componentes forem substituídos ou mesmo só aliviados, a curva de convergência também tem de ser medida e, quando necessário, afinada. A principal característica da suspensão de quatro braços (four-link) é o posicionamento mais alto da caixa da direção com barras transversais muito curtas. Graças a este design, ocorre uma convergência durante o movimento ascendente da roda aquando da compressão e extensão do eixo. Se a suspensão das rodas for sujeita a compressão durante a travagem ou extensão durante a aceleração, a via sofre alterações conforme o curso de compressão ou de extensão. Os valores de via resultantes são conhecidos como a curva de convergência.

Consequências de uma afinação incorreta

Se a afinação for correta, a convergência aumenta durante a extensão, ou seja, ao acelerar, o que estabiliza o veículo. Durante a compressão, ou seja, ao travar, a divergência aumenta, reforçando o desempenho de travagem. Se a curva de convergência estiver afinada incorretamente, o veículo tende a "fugir" durante a aceleração e a perder estabilidade. Ao travar, o veículo desvia-se para um dos lados, apesar de uma travagem uniforme.

Os veículos do Grupo VW, pertencentes à chamada plataforma B5, tais como Audi A4, A6, A8, VW Passat, Skoda Superb, Seat Exeo, entre outros, estão equipados com suspensões de quatro braços (four-link). Trata-se de eixos de duplo braço triangular que, graças ao nível separado dos braços, melhoram consideravelmente as características de condução. Se os componentes forem substituídos ou mesmo só aliviados, a curva de convergência também tem de ser medida e, quando necessário, afinada. A principal característica da suspensão de quatro braços (four-link) é o posicionamento mais alto da caixa da direção com barras transversais muito curtas. Graças a este design, ocorre uma convergência durante o movimento ascendente da roda aquando da compressão e extensão do eixo. Se a suspensão das rodas for sujeita a compressão durante a travagem ou extensão durante a aceleração, a via sofre alterações conforme o curso de compressão ou de extensão. Os valores de via resultantes são conhecidos como a curva de convergência.

Consequências de uma afinação incorreta

Se a afinação for correta, a convergência aumenta durante a extensão, ou seja, ao acelerar, o que estabiliza o veículo. Durante a compressão, ou seja, ao travar, a divergência aumenta, reforçando o desempenho de travagem. Se a curva de convergência estiver afinada incorretamente, o veículo tende a "fugir" durante a aceleração e a perder estabilidade. Ao travar, o veículo desvia-se para um dos lados, apesar de uma travagem uniforme.

Quando é necessário verificar a curva de convergência

Alexander Erhart, engenheiro da ZF Aftermarket, aponta situações em que a curva de convergência precisa de ser verificada:

  • Se as peças do eixo e/ou a carroçaria tiverem sofrido danos durante um acidente.
  • Se o cliente se queixar que a direção "foge" ao passar por lombas ou durante a travagem.
  • Se componentes do eixo dianteiro, tais como a caixa do rolamento da roda, a caixa da direção, o suporte do eixo, a barra transversal, o tirante de alinhamento, etc. forem desmontados e montados ou se estes componentes do chassis apresentarem desgaste.
  • Se os braços de suspensão ou a barra transversal forem desapertados.

Alexander Erhart, engenheiro da ZF Aftermarket, aponta situações em que a curva de convergência precisa de ser verificada:

  • Se as peças do eixo e/ou a carroçaria tiverem sofrido danos durante um acidente.
  • Se o cliente se queixar que a direção "foge" ao passar por lombas ou durante a travagem.
  • Se componentes do eixo dianteiro, tais como a caixa do rolamento da roda, a caixa da direção, o suporte do eixo, a barra transversal, o tirante de alinhamento, etc. forem desmontados e montados ou se estes componentes do chassis apresentarem desgaste.
  • Se os braços de suspensão ou a barra transversal forem desapertados.

Como realizar a verificação

O eixo dianteiro tem de ser elevado para verificar ou afinar o formato da curva de convergência. Para o efeito, é necessário utilizar o calibre de medição da via V.A.G 1925 no chassis, sendo igualmente necessários os adaptadores V.A.G 1925/1-6, conforme o veículo e a plataforma elevatória.

Passo 1: desapertar o fuso roscado

Ambos os fusos roscados são desapertados até estarem apenas em leve contacto com os parafusos dianteiros do suporte do eixo. Em resultado disso, o veículo ainda não pode ser elevado. Encontra-se na posição inicial (posição sem carga B1).

Passo 2: elevar o veículo com um elevador de eixo

O elevador de eixo encontra-se agora colocado no ponto de apoio dianteiro para o macaco e o veículo é elevado aprox. 60 mm (posição B2). Em seguida, o cilindro é extraído do fuso roscado e tem de se assegurar que os parafusos batentes estão na posição correta e firmemente fixos.

O eixo dianteiro tem de ser elevado para verificar ou afinar o formato da curva de convergência. Para o efeito, é necessário utilizar o calibre de medição da via V.A.G 1925 no chassis, sendo igualmente necessários os adaptadores V.A.G 1925/1-6, conforme o veículo e a plataforma elevatória.

Passo 1: desapertar o fuso roscado

Ambos os fusos roscados são desapertados até estarem apenas em leve contacto com os parafusos dianteiros do suporte do eixo. Em resultado disso, o veículo ainda não pode ser elevado. Encontra-se na posição inicial (posição sem carga B1).

Passo 2: elevar o veículo com um elevador de eixo

O elevador de eixo encontra-se agora colocado no ponto de apoio dianteiro para o macaco e o veículo é elevado aprox. 60 mm (posição B2). Em seguida, o cilindro é extraído do fuso roscado e tem de se assegurar que os parafusos batentes estão na posição correta e firmemente fixos.

Passo 3: ajustar o valor nominal

Para realizar a afinação, afrouxar o parafuso de fixação (tamanho 16), desapertar o parafuso de afinação 4 mm e empurrar a articulação da barra transversal para baixo até onde for possível. Apertar agora o parafuso de afinação até ser atingido o valor nominal. Após o aperto do parafuso de fixação com um binário de 45 Nm, verificar novamente o valor e apertar o parafuso de afinação com um binário de 7 Nm.

Passo 4: verificar a curva de convergência

O veículo pode ser novamente baixado e o fuso roscado enroscado. O indicador de alinhamento das rodas volta a verificar a curva de convergência agora. Se os valores medidos durante a segunda verificação estiverem dentro da tolerância do valor de controlo, a afinação está OK. Se os valores medidos estiverem fora da tolerância do valor de controlo, a posição B2 (+60 mm) tem de ser afinada de novo.

Passo 3: ajustar o valor nominal

Para realizar a afinação, afrouxar o parafuso de fixação (tamanho 16), desapertar o parafuso de afinação 4 mm e empurrar a articulação da barra transversal para baixo até onde for possível. Apertar agora o parafuso de afinação até ser atingido o valor nominal. Após o aperto do parafuso de fixação com um binário de 45 Nm, verificar novamente o valor e apertar o parafuso de afinação com um binário de 7 Nm.

Passo 4: verificar a curva de convergência

O veículo pode ser novamente baixado e o fuso roscado enroscado. O indicador de alinhamento das rodas volta a verificar a curva de convergência agora. Se os valores medidos durante a segunda verificação estiverem dentro da tolerância do valor de controlo, a afinação está OK. Se os valores medidos estiverem fora da tolerância do valor de controlo, a posição B2 (+60 mm) tem de ser afinada de novo.